30 de ago de 2010

Processo

Tantas.
Mais difícil que nenhuma.

Decido ficar parada para não corroer as cordas.
ilusão achar que nada vai ruir por causa disto.

assim. desisto.
e continuo nesta colisão todos os dias, gerando a oportunidade de ser o mais incoerente possível para depois simplesmente voltar às minhas amarras.

E assim cobro do mundo: sentido e amor. Na tentativa de transformá-lo num lugar onde em algum momento eu possa me espelhar.

E assim cobro da vida: tempo e reconhecimento. Na tenativa de transformá-la em algo com algum valor.

não quero não ter importância.
Mas me conformo com a insignificância.

7 de mar de 2010

ESCOLHA.

há uma dor dentro de mim.
há em mim, uma cicatriz.

há um furor dentro de mim.
há em mim, por um triz.

há um trator dentro de mim.
há em mim, um bis.

há um amor dentro de mim.
há em mim, uma Imperatriz.

há um ator dentro de mim.
há em mim uma atriz.

A ATRIZ.

há em mim, uma cicatriz.
de uma profundidade, que me tortura.

há em mim, por um triz.
uma leviandade e uma doçura.

há em mim, um bis.
uma gratuidade, que me cura.

há em mim, uma Imperatriz.
de tanta lealdade e ternura.

há em mim uma atriz.

O ATOR

há uma dor dentro de mim.
de uma intensidade, que beira a loucura.

há um furor dentro de mim.
de uma densidade, que beira a loucura

há um trator dentro de mim.
de uma voracidade, que beira a loucura.

há um amor dentro de mim.
de tanta verdade, que beira a loucura.

há um ator dentro de mim.

14 de dez de 2009

A BANDA CALYPSO NÃO TOCA O CARIMBÓ DO PARÁ. O TCHAN NÃO TOCA SAMBA DE RODA. AS DUPLAS SERTANEJAS DA DÉCADA DE 90 NÃO TOCAM MÚSICA SERTANEJA.

conclusão: nada é o que é no mercado. Tudo tem a pretensão de ser.

grata pela atenção.

Carol.

SOU FICHADA NO GOOGLE 2

licenciada em artes

profissão: ARTISTA E ARTE EDUCADORA.
setor: Artes, Música
empresa: QUALQUER ESPAÇO QUE POSSA SER CÊNICO.

cargo: ATRIZCANTANTE OU CANTRIZ.
descrição do trabalho: O ARTISTA + ALGO A DIZER (EM MÚSICA, PROSA, VERSO, MÍMICA, ESTADO, VÍDEO, QUADRO, ESPAÇO, MOVIMENTO OU SILÊNCIO, COM SENTIDO OU NÃO, MAS COM VERDADE) + PÚBLICO: MESMO QUE DE UMA PESSOA SÓ= ARTE.

habilidades profissionais: MELODRAMA, CARICATICE, COMÉDIA DELL'ARTE, CLOWN; SAMBA, MPB, JAZZ, GOSPEL DE RAIZ, SERTANEJO DE RAIZ, FUNK DE RAIZ, RAP DAS COMUNIDADES.

SOU FICHADA NO GOOGLE 1

Sou Afro-brasileira. Muito liberal, de esquerda.
Extrovertida/extravagante; seca/ sarcástica.
fumo de vez em quando. bebo excessivamente.
moro com companheiro, amigos visitam com freqüência.

paixões: CONHECIMENTO E CHOCOLATE. NEGROS E TRAVESTIS. VINHO E MÚSICA. WELLINGTON E TEATRO. CINEMA E SEXO. MEUS AMIGOS E LIVROS. NÃO NECESSARIAMENTE NESTA ORDEM.

Sou VICIADA EM YOUTUBE, CAÇA-PALAVRAS E VIDA DOS OUTROS.
Sou HIPERATIVA, AUTODESTRUTIVA E CRIATIVA.

livros: TODOS. MUITOS.. E MAIS. QUANTO MAIS MELHOR..
música: VIDA.

filmes: CINEMA É ARTE DO DE DENTRO QUE TRAZ TUDO PRA FORA.
cozinhas: JAPONESA.

13 de dez de 2009

NOVOSAMIGOSVELHOS OU VELHOSAMIGOSNOVOS





AUTORRETRATOS






invenções.

Onde está a linha de resistência que costura e alinhava a nossa identidade nacional embaixo desta casca padronizada que não nos pertence?

Além da cultura popular que se mantém nos guetos e nas periferias de todo o país, o que nós estamos produzindo de nacional efetivamente para evitar o desaparecimento da nossa identidade? Ficaremos de joelhos para a globalização boquiabertos com a facilidade de comunicação que ela nos proporciona e fecharemos os olhos para falta de criatividade, independência e preservação da nossa diversidade??

Sei que a história da humanidade é cíclica e que estamos num momento de transição rumo a uma época de resgate da criatividade e inovação. Aliás este processo que teve início no final do século 20, caminha a passos de tartaruga.

O que é nada palatável, é ter que conviver com o lixo cultural das massas cuja falta de qualidade parece não ter fim. Arrotam um pseudo-nacionalismo e chamam de popular um populismo, que chafurda na lama uma cultura enveredada pelo caminho do qualquer-custo à fama!

Cegamente escolhi o caminho da arte com a idéia ilusória de que poderia viver dela. Mas, que arte? E viver é trabalhar para pagar as contas, desejar boas festas, acompanhar e tentar entrar para a novela das 8, perseguir a estética massificada de aceitação e fazer terapia por sentir culpa por não conseguir fazer nada disso?

Nesta sociedade só me resta me vender e esperar a morte.. pra ver se volto com mais sorte. Por enquanto, me uno àqueles que ainda pensam que tudo é mais do que isso. Mas mesmo assim, a luta pelo poder é um maremoto. Nada podemos fazer além da nossa parte, que nessa luta, é apenas um pequeno foco.

8 de set de 2009

pois é.

A natureza é como é. Sem bondade, nem maldade: o fogo não destrói porque quer. E a flor não é bonita por vaidade. E o ser humano destituído de fé, burramente se exclui desta realidade... vive de um jeito qualquer, sem nunca lembrar da verdadeira verdade. podre raça que nega o que é...cheia de dificuldade!!!

20 de ago de 2009

-OR

dor
amor
pudor
penhor
ardor
senhor
fedor
pregador.

sonhador.

a propósito...

Se cada vez que eu pensasse nas dores do mundo caísse um pedaço de mim,
Ué! Cadê eu?

frase de um amigo:

Você acredita que o mundo acabará em 2012?
r. Não. Pra mim ele já acabou faz tempo.

estou no meio do olho do furacão. Mas, o furacão sou eu.

QUEM ESPERA SEMPRE SE CANSA...

Saudade,

tão decepcionada...
tão desanimada...
tão descrente...
tão transparente.

Sei que num segundo a vida pode virar a vida de ponta cabeça sem que se a vida tenha o mínimo poder de controle sobre a vida.

Ainda assim, me surpreendo.

Eu queria aquela verdade que ou dói no âmago e deixa de cama ou cura tudo e tira da lama!

Só pra gente poder se dar o maior dos presentes quando se ama:

liberdade. Ainda que tarde.

10 de jun de 2009

o nada.

sou nada. e quando me imagino, penso ser alguma coisa.
se me tirassem a faculdade de imaginar, morreria. E o nada que é tão maior que qualquer coisa, não seria suportável onde se sobrevive do que é menor.

alguma coisa é facilmente encaixado em qualquer mediocridade desse mundo rotulante... pois "alguma" pode ser "qualquer".

O nada, não! O nada é! O nada é o silêncio, é o espaço, é ausência... mas, é. é, e não é!

não é lixo,
não é excesso,
não é desperdício.

é simplesmente o nada. assim.. pronto pra que se faça escolhas:
pode se ser alguma coisa, qualquer coisa, tudo ou voltar pro nada.

O curioso é qualquer uma destas alternativas pode dar em: nada.
mas, o que vale é a experiência. Quando se entende o valor do nada, qualquer coisa vira tudo. E desse tudo, imagino ser alguma coisa. Pois se não o fizesse morreria antes de viver, pois descobriria que não sou nada antes de descobrir que o nada é tudo.

28 de abr de 2009

pra ficar.

NUA.
NÃO ME VISTA. NÃO SOU NADA SUA!
NÃO MAIS O COMPROMISSO COM A VERDADE, E SIM: COM O VERDADEIRO.
NÃO MAIS NADA PELA METADE...
E SIM: O INTEIRO.

PRA ME DESPIR, VISTO-ME DE CORAGEM.

SE CALAR É MELHOR,
PREFIRO SEGUIR VIAGEM.

bEZERRA.

10 de mar de 2009

algum caos, mas pouco.

Passo horas olhando para o espelho...
especulando.
Me pergunto se o ser feliz que vejo é o que realmente sou.
Nunca vou saber.
Passamos tanto tempo buscando a felicidade, que a busca, vira costume.
A ponto de passarmos por ela e não reconhecê-la.

Porque a dor é tão forte e premente, que faz a felicidade parecer inexistente.

Olho para o espelho e fico feliz em questionar e ser questionada...

movimento que me faz sentir livre, viva e salva!

O resto...

nunca vou saber.

12 de fev de 2009

viva! mais uma vitória:

Foi difícil, mas tenho conseguido sorrir sozinha e chorar em público!!!
eeeeeeeeeeeeeeeeeeeee!!!!

O que comemoro??

Uai, é muito fácil rir em público e chorar sozinha....

durezas necessárias 1

prefiro a solidão de compreender que a solidão de entreter.
a solidão de estar só que a solidão de estar com o mundo.

prefiro a dor de uma solidão que a doença da solidão.
não troco a solidão de uma noite pela solidão de um dia.
Nem a solidão da pesquisa pela solidão da burrice.

Prefiro a solidão de aprender que a solidão de depender.

viver a solidão pra não morrer de solidão.

ser humano.

é.
gostaria que não fosse....
Se o que é pudesse ser por gosto, nunca meu gosto seria o que não fosse.
Pois, por gosto, já o seria.
E não se buscaria, pois o que se quisesse, se seria.
E o tédio se instalaria de maneira tal, que se começaria a querer que tudo não fosse o querer. E o que fosse por gosto não seria o que se gostaria.

e assim é.
gostaria, que não fosse!!!!

4 de fev de 2009

ODE

Arte. Pára todas as doenças.

para a pele, plásticas.

para as respiratórias, música...

para os ossos, dança.

para os olhos, nú.

para gastro, paciência.

para paciência: escrever, e

para escrever, paciência.

para o trânsito: sorrir!!

para os músculos: Nô.

para a cabeça: butô.

para as veias, teatro.

para os ouvidos, mímica.

para o sexo: performance...

para o fígado: comédia.

pra tudo: canção.
pra todos: cinema e livros.
pra criança: contação.
Pro cancêr: animação.

Pra aids: pensar.
pra todo o corpo: expressar.

pra vida: amar e desenhar....

E pro coração: tudo de novo, sem contra indicação.

Carol Bee.

26 de jan de 2009

De dentro.

Existe uma bagunça por trás destas coisas bem arrumadas.

Está tudo no lugar. Mas, em lugar nenhum.

Onde é aqui dentro?
Onde é?

FORA!
não canso de expulsar-me de mim mesma pra que eu possa ocupar este lugar dentro, que não sei onde é.

A existência foi inventada.
Não é possível que não sirva pra nada!

19 de jan de 2009

O texto abaixo me deixou uma lacuna. mais uma.

critérios.

Cri- térios. terraplanagem. gene. aquilo segundo o qual e em conjunto forma o porque não se pode isso ou aquilo, ou se aquilo pode ou não se pode. Ou se isso é bom, interessante, ou ruim, repugnante.

Há um problema.
Quem estabelece o critério? O que vem antes do critério? E quanto se precisa juntar dele pra que algo seja consistente? É a quantidade que dá consistência? Ou é o que vem antes, mesmo que seja pouco? Alguém me responda por favor? O que vem antes?

Observando a vida e as relações, seria critério aquilo que se torna válido de acordo com os interesses de quem tem algum interesse em algo julgado através de critérios?

São questões.
Não sei as respostas.
E não sei se quero sabê-las.

Carol.

13 de jan de 2009

Posso ser eu ao máximo? Mesmo? Duvido.

O que fazer para quebrar as amarras dos padrões rígidos de "ser"?
Não serei mais prisoneira. Posso amar a quem quiser e escolher. Não é preciso dar continuidade ás relações mentirosas. Nem aos laços familiares que não sustentam nada! Só favorecem relações mentirosas! O amor é muito maior. O amor, constrói-se. Se não houver amor não há família. Família sem amor, é mentira.

Renuncio á família em nome do amor. E, isto, sou eu. Serei julgada por ir contra a esta instituição. Mas, eu não posso não ser eu e fingir que me importo com quem não me importa. Só importa, quem amo. Muitos virão a quem darei importância, e muitos serão os que deixarei de amar.

Não por capricho,
Mas, por buscar.

Posso ser eu, assim, ao máximo? Duvido. Mas serei. Pois depois da vida só existe a morte, onde o eu, não existe. Só posso ser eu, enquanto vivo. Mesmo. É tão óbvio... mas, não é.
Li numa revista uma citação sobre Guimarães Rosa:

Silêncio é a gente mesmo, demais.

24 de dez de 2008

fELIZ . nATAL .

Aniversário de um homem esclarecido, à frente do seu tempo, que usava a fantasia para fazer o bem, e que fez uma profunda análise sobre a alma humana. Tentou explicar muitas coisas sobre a vida, mas as pessoas não entenderam e não entendem até hoje;

Confraternização familiar onde geralmente se esquecem as diferenças para dar lugar às atitudes que deveríamos ter o ano inteiro;

Época de manifestação de carinho, mesmo que não seja verdadeiro;

Oportunidade de repensar tudo o que fizemos de errado o ano inteiro e depois ficar com uma vontade de mudar tudo de um dia para o outro.. e para que no ano vindouro, quem sabe... possamos repetir tudo de novo;

surgimento de certa sensação de obrigação ao invés de diversão, que se inverte quando a ceia é servida;

justificativa para comer tudo o que engorda, mata e que aumenta o colesterol;

data mercadológica, onde o faturamento das empresas aumenta em até 50% enquanto o bolso dos cidadãos diminui em até 100%;

Momento de revelações, de emoções, de discussões, de orações;

SEJA PRA QUE FOR E PORQUE FOR, O QUE FICA É ESSA VONTADE DE DESEJAR O BEM PRA TUDO E PRA TODOS. E MESMO QUE AMANHÃ NÃO SEJA NADA DISSO, TEMOS A OPORTUNIDADE, EM TODOS OS ANOS, DE PELO UM DIA, NOS PERMITIR ESTA SENSAÇÃO.

12 de dez de 2008

mágoa.

E não é fácil ter coragem de assumir quem somos. Irrito-me profundamente quando sou rotulada por parte do que sou.
Principalmente quando não me foi dada a oportunidade de mostrar que posso ser mais ou menos que este rótulo.
Isto, porque tudo o que sou foi arduamente construído por mim.

Nunca fui talentosa, nunca fui engraçada, nunca fui afinada, nunca fui reconhecida, nunca tive facilidades.

E hoje, se sou pelo menos parte do que nunca fui é porque busquei. Deu trabalho e ainda dá. E sou grata ao que ainda não sou!! Pois, me desafia ao "querer ser".

E se por algum motivo deixo de ser o que nunca fui, e assumo partes de maneira equivocada, só peço ajuda pra enxergar, pra que eu possa voltar a batalhar!! Sem orgulho!
mas, não venha me rotular.

11 de dez de 2008

uma licença nada poética: ensaio sobre o Lixo....

"O que se varre e, em geral, tudo o que não presta;(...)XIII. De origem obscura." diz o Etimológico de Antônio Geraldo Cunha.

No Popular: Coisa ruim, que não serve pra nada, que cheira mal. Merda.
Lixo!!

Se por estas definições o lixo não tem valor algum, por outro prisma, é o título de uma agradável cronica em forma de diálogos, escrita por Luiz Fernando Veríssimo, onde duas pessoas que não se conhecem, sabem intimidades da vida um do outro, apenas pela análise diária de seus próprios... lixos.

Trocando a palavra por seu significado, então, podemos dizer que: "tudo o que não presta e cheira mal, diz muito mais de nós, do que possamos supor!!

Além desta questão existencialista, existe uma ainda pior: a existência podre do lixo é tão infinitamente maior, em tamanho e quantidade, que já providencia a não existência humana.

Antes do efeito estufa, do super aquecimento e da falta de água e oxigênio está: O LIXO! Que ignorado por todos nós, reina soberano em sua mal-cheirosa insignificância, envenenando atmosfera e solo de metano e chorume, respectivamente!!!!

Ah, mas a campanha de reciclagem e aproveitamento da lixarada é muito menor que qualquer campanha política ou publicitária... afinal lixo, é o que se varre, não é?

Quantas cidades elegem candidatos que se preocupam em aproveitar o gás metano para gerar energia elétrica? Quantas empresas estão envolvidas com algum projeto de sustentabilidade?? Quantas pessoas se preocupam em produzir menos lixo?

As respostas são um lixo!

Há que se ter maiores preocupações!!! Morreremos... asfixiados por enchentes causadas por aterros sanitários e falta de educação, mais que pela violência que assola o país.

10 de dez de 2008

Sexo.

Gosto.

despir. de va gar.

.soprar .a .nuca
de mexer o quadril.
de fingir que não quero.
e de repente,
e de propósito e de repente. língua.
de pressionar violentamente ventre contra ventre.
de frente verso... os braços pro alto e calor e devagar e de propósito. língua. e de repente... depressa.
de cair no chão e devagar.

e de propósito viro!
e depressa, língua!

e mão devagar pelo corpo, e de propósito gosto verso e nuca. e rápido e forte e ventre e viro e chão e frente e de repente mexer língua, quadril, quero: e não.
e depressa e depressa e depressa e depressa e sempre e: ainda não.

calor.
e de repente: amor.
e aí quero e ainda quero e gosto e gosto mais e bem depressa. de repente:
MUITO.
um respiro.

viro.

uma verdade.

Ergo-me na multidão e grito:

"Ai que vontade de chupar um PAU!"
(PAU: qualquer pedaço de madeira)

tô assim hoje: chula e literal.

A madrugada é tão sedutora. Dá uma sensação de liberdade. De que a gente vai ter um tempão pra fazer tudo. É gostosinho.

8 de dez de 2008

e mais silêncio.

não durmo.
não como.
perdi a noção das horas.
sinto como se nada fizesse sentido..
um caos interno que procuro organizar, sem sucesso.
assim, crio sem parar um espaço aqui dentro que tenha paciência pra aguardar esta fase passar.

É inacreditável que mesmo assim, esteja tudo bem.
É quase inadmissível descobrir que posso seguir sozinha!
descobrir que a presença física dos seres amados é só uma parte de algo que é maior!
Aqui dentro tá tudo roendo.
Mas fora, o sofrimento têm dado lugar ao amadurecimento, que traz uma certeza tão absoluta que é isso, é como é, é como está... e que na verdade já era e sempre foi... só resolvi enxergar.. que
dói, mas passa. E a consciência compreende que o corpo e a alma precisam de tempo, pra que como agora, nesta casa vazia, tudo de dentro volte a ser silêncio.

sinto falta de vocês.

para aracy de almeida.


textos meus, integrantes do show-cênico "Aracy de Samba e de Almeida", minha primeira produção, que tenho apresentado com muita felicidade por aí, desde 2005:

x.

Aracy é aracy de Noel e de rosa.
Aracy é de verso,e é de prosa.
Aracy é de rir, é de certo fascínio...
é de Sílvio, é de Santos,
mas, também é de Bello Hermínio.
É do Café Nice, é do Glória, é de história..
Mas, é só o "dez pau" que nos reaviva a memória??
é de Antônio Maria,
é de "Filosofia"..
é do Encantado, seu bairro natal.
Mas, também é de carnaval.
É dos pretos, das putas, do Rio;
Aracy é de conversa com dorme no meio-fio.
É do jogo de sinuca, feitiço da vila, num cutuca!
É matusquela, é dos breguetes e da chalaça!
Não resta a menor dúvida:
Aracy é do "Chora que Passa".

Final.

20 de junho de 1988.
tive um derrame.
derramei-me.
Depois de TANTAS histórias vividas com TANTAS pessoas, que tiveram TANTA importância em minha vida...
.... agora sou eu, que o tempo, já não tenho TANTO.

cAROL.

Como posso dar-te pequenas estrelas se eu só tenho a lua?

Se te basta uma pequena estrela e despreza a lua inteira pra provar humildade,
lembre que de longe, no céu, tudo o que parece miúdo e brilha, pode ser ou se passar por uma estrela.
Mas, neste mesmo céu, mesmo de longe, NADA por maior e mais brilhante que seja pode se passar pela lua.

cAROL.

Augusta.

E mesmo assim eu afago a mão que me agride e beijo a boca que me cospe.
A alma que constrói coisas belas é a mesma que destrói.
A intensidade pode tomar parte num corpo sutil.
Percebe-se que o beijo pode ser realmente a véspera do escarro.
A mesma boca doce também cala e vomita.
Se espera que de noite seja o frio!!
Mas não se imagina que o frio pode vir das flores!
Os mesmos dedos que tocam "choro" num violão, são os mesmos que por ausência, podem fazer chorar um coração....

E o coração, ah!!! Esse é o único capaz
de abrir a cortina e ver por trás.

Carol.

é muita coisa pra analisar numa vida, dá preguiça!

Carol.
Como se comportam as pessoas.
Isso sim é que diz delas.
O que elas dizem não me interessa muito. Prefiro o que elas escrevem.

sonhei com chico buarque

17 de setembro de 2005.
Sonhei com Chico Buarque.
Eu estava de toalha, escovando os dentes num banheiro grande.
O Chico pedia insistentemente para usar o banheiro!!!
Eu estava sem paciência alguma, ficava puta!
Ele entrou, usou o vaso na minha frente, passou por mim e sentou-se numa sala.

E eu ainda sem nenhuma paciência.

pode?

FAZER O QUE É PRECISO NEM SEMPRE É PRAZEIROSO. MAS SEMPRE É PRECISO TER PRAZER EM TODO O FAZER!!!

coisas na cabeça.

Ai, o que é realidade? o que é invenção?
Quero enxergar o todo e não só o que me convém.
tudo é possibilidade.
podemos criar situações que não nos levem a nada concreto e sim a nosso mundo secreto?
Chega de tentar compreender as coisas todas.
chega de querer o impossível e o inatingível.
é tudo mais simples.

uma letra de música: "gostaria que fosse um samba"

A mesma alma que divide o sonho com a florista/
numa noite de frio é a mesma que vai/
é a mesma que despreza quem já o ama/
e nem sabe/ a força que tem uma flor...

E a verdade é que não importa a idade/
A flor não é bonita por vaidade.
É preciso então compreensão/
com essa vida que é a maior contradição.

A mesma alma que divide o sonho com a florista/
Que divide a flor com o sonho do artista.

16/ 11/2007 - divagando 2

O QUE FAZER COM ESSAS algumas COISAS QUE ME INTERESSAM?
E POR QUE NÃO ACEITAR O INTERESSE DO OUTRO SOBRE todas AS COISAS?
DE COISAS O MUNDO ESTÁ CHEIO.
DE INTERESSES, TAMBÉM.
MAS COISAS INTERESSANTES... nem tanto.

19/05/2007 - divagando 1

Eu preciso de poesia.
Pessoas não me bastam.
EU não me basto.
Me perco.
Preciso de metáfora pra reinventar este ar que respiro e recuso pra viver essa vida que é.
Ela é..... qualquer coisa.
Me dá azia.
Tento.
Mas, não posso e não consigo sem poesia.
me faz falta.

falta a minha pureza;
a minha inocência;
a minha dependência;
meu bolo de aniversário;
minhas professoras;
minha incompleta consciência;
amendoim japonês;
brigadeiro;
minha brincadeira com as mãos;
meu avô;
o alô para o carteiro;
minha dança na sala;
o cheiro do café;
minha falta de juízo...

minha falta me faz tanta falta.

o que importa é que eu cresci! De um ser frágil, tornei-me forte... de uma fortaleza absolutamente........ frágil. que escoa na primeira falta do que faz falta.

ensaio de agora.

Porque parece que tudo é mais agora. Agora é mais dor, é mais feliz, é mais rápido, é mais importante. é mais.
agora é mais. ontem não importa. O importante é agora, já que de ontem não lembro mais.

Mas, ontem é capaz de nos fazer compreender o agora, sendo que agora quando se torna ontem, espera seu momento de também não existir.

Porque parece que ontem não existe mais, embora ontem contenha tudo. Tudo o que não existe mais e mesmo assim habita em mim, agora.

Porque agora eu falo de ontens mais do que ontem eu falaria. e cada agora que eu vivo é feito de ontens!

Agora é tão importante, porque vira ontem num instante.

6 de dez de 2008

WELLINGTONS E CAROLINAS OU A HISTÓRIA DE ONTEM PRA CONTAR A DE HOJE


Então o amor apresentou-se aos meus quinze anos de idade. Tinha olhos grandes e expressivos, um jeito de menino e os cabelos compridos.

tocava com serenidade as cordas de um violão.... me chamava tanta atenção!
Não entendia por quê me batia tanto o coração!

Era ouvir aquelas melodias e aguardar sua aparição para que o mundo parasse, e eu, procurasse o chão. Me enchi de coragem, pedi-lhe passagem! Ele encantado.. pegou-me na mão... ouviu meu canto, secou meu pranto e no tempo da ingenuidade iniciou-se uma história de verdade...

...fomos crescendo juntos e aprendendo todo o não. A cada ano, me dava um presente............... e uma decepção.

Os presentes foram os melhores passados que alguém pode almejar...

beijou-me ternamente e jamais deixou de me beijar;
me teve pela vez primeira e jamais deixou de me amar;
enlouqueceu-me de bem querer, e jurou nunca me esquecer.

E cinco anos depois, os provações vieram. pros dois.

E foi tão dilacerante que como cristal ou brilhante, o que quebra, no mesmo instante é difícil de reerguer.

Me pus a procurá-lo desesperadamente...
invadi casas, profanei meu corpo, me humilhei, me enganei, me arrastei e por fim, por acaso, o reencontrei. Tinha os mesmos olhos grandes e expressivos, o mesmo jeito de menino, os cabelos estavam curtos... não havia mais violão. Mas, a melodia ainda estava lá. E eu podia ouví-la, mesmo que ele tentasse me impedir de escutar.

(Implorei): não vá! Mas, era em vão...
Vinha como o vento, entrava pela porta da frente, me cantava lindamente e saia pela porta dos fundos sem me pedir perdão. Passaram-se mais quatro anos nestas idas e vindas desvairadas. Eu estava decidida a cantar outra outra canção. Não reconhecia mais o amor como se mostrava... não me sentia mais embriagada e não procurava mais o chão.

Foi quando ele, cheio de medos e incertezas, cheio de sonhos e com muitas tristezas, resolveu chegar e ficar.
Olhei no fundo de seus olhos, e qual foi minha surpresa? deparei-me comigo mesma!
E entreguei-me sem duvidar....

com a intensidade que descortina o mundo e tem cheiro de flor...
Quantas vezes for necessário, me entregarei ao amor. fugindo de mim, imatura e assustada, aprendi muitas lições necessárias a esta estrada.

E numa rua pequena de nome grande, aguardo ansiosamente sua chegada. A cada ano que passa tenho mais certeza... como vale a pena ser amada!!

entrelinhas.

Intensidade... é uma palavra perversa, que resgata tudo de profundo e traz para a claridade.
E essa luz põe e expõe uma série de verdades que doem. corroem. mas, não destroem.
Pelo contrário! Uma delas é uma verdade descortinada, que tem cheiro de flor e precisa ser cuidada.
Sim: o amor.

um dia, para minha mãe.

Rose. O nome da rosa. Que tenta a todo o custo se livrar dos espinhos, sem saber que eles são necessários. Exposta ao vento, perde suas péta-las e entristece, sem se dar conta que os outonos sempre retornam para um novo florescer. E que o vento, espalha seu pólen pelo mundo, e, assim, nascem outras rosas... rosas diferentes, mas, ainda assim: rosas. Os espinhos, ainda estão lá, mesmo que não os queira. Eles machucam, mas defendem, ferem, mas fazem parte da natureza de uma flor. Rosa que é bela, mas não sabe que é bela. É bela por si, e não porque dizem que é bela. Então, seja o que é, porque és rosa! Que tem espinhos, pétalas que caem, que se abre e se fecha, que se espalha pelo mundo e que é bela, porque assim é a natureza. Porque assim, é a rosa.
Rose. O nome da Rosa.

vômito... para um amigo amado.


Me desculpe. Estou farta das tuas fraquezas convenientes. Mesmo vendo este abismo de trevas que se mostra tão facilmente ao seu lado, sempre enxerguei como maior a beleza da poesia que existe em vc. e que vc insiste em vomitar. Mas, minhas palavras são cinzas ao vento e meus atos pra tentar te reerguer não valem de nada.

Vc usa prazer pra mascarar muito bem uma insegurança infantil que beira a burrice! Joga sua vida na lama, rola com os porcos e nega toda manifestação de amor ao seu redor por orgulho.... numa cegueira quase irreversível, pelo simples fato de ter resolvido brigar com o tempo... sim, brigar com o tempo!!! Preferindo sempre o perecível pra poder culpar o mundo das tuas escolhas erradas.

E eu.... num surto, misto de arrogância e inocência, estrangulada de amor e indignação, novamente esqueço que minhas palavras: nada são.... e me ponho a cagar regras de felicidade pra alguém que escolheu o próprio umbigo como caminho sem volta, mesmo que nem saiba direito onde este umbigo está!!!

Me desculpe. Estou farta das tuas fraquezas convenientes.

ALGUMAS CARTAS PARA W- LOV.


Carta 1. foi quem sabe o sorriso. Ou esse monte de coisas na cabeça... foi essa vontade de viver, fazer, crescer. Foi o cheiro? A pele? O beijo? De onde vem essa inesgotável necessidade de se querer, longe, perto, dentro, fora, em volta? Ninguém sabe. Um dia, de repente, acordei presenteada com esta dádiva: eu amava! Pode ter sido o sorriso ou esse monte de coisas na cabeça. Mas o que importa, é não saber. Dessas coisas, o melhor que se tem a fazer, é viver...deu. agora é só essa: sou mais você e eu.

carta 3. Minha sorte, é que vc é sábio.... e seguimos nós. Porque a vida, é muito....

carta 7. Espero q nunca tenha certeza de nada. por quê? morreria. medo do espelho, é medo de si. não se entregar é morrer. e o caminho certo não existe. o q existe é o caminhar. correndo atràs do rabo? talvez o rabo esteja correndo atras de vc.....

carta 11. O que nos incomada nessa realidade é o quanto fazemos parte dela.... o que estamos fazendo para mudá-la? preocupando-nos com nosso próprio umbigo? Eu posso ser muitas coisas... mulher, irmã, filha, trabalhadora, inteligente, burra, consciente, alienada...
e cidadã?
Eu sou quando? Qual é meu papel na sociedade?
Acomodar meu próprio umbigo?

carta zero. clamo tanto por surpresas. "Peça, que terá". Realmente... tanto boas, quanto ruins... O novo excita e dá medo ao mesmo tempo. Quantos de vc será que vc é? Com quantos deles eu tenho contato? Acho que nem com a metade. tem uns que eu já conheço demais e insistem em bater na minha porta! CHEGA! Eu quero os novos.

carta única. COMPREENDE-SE POR QUÊ TODAS AS CARTAS DE AMOR SÃO RIDÍCULAS. POIS O ORGULHAR-SE EM SER RÍDÍCULO VEM TAMBÉM QDO SE AMA. PORQUE O AMOR, QUANDO É AMOR, GERA ESSE TEMPO E ESPAÇO ONDE A GENTE PODE SER A GENTE, MESMO QUE RIDICULAMENTE...NO CASO MEU TEMPO É AGORA.E MEU ESPAÇO CONTÉM ESTE HOMEM... QUE TEM DE MIM TUDO O QUE SOU, POR ME QUERER MESMO SENDO EU RIDÍCULA E DESBOCADAAO MESMO TEMPO EM QUE POSSO SER DOCE E APAIXONADA.OBRIGADA POR ESTE ENCONTRO...POR ME FAZER AMAR E POR ME FAZER SENTIR AMADA..
ASS.SUA.